quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

International Childhood Cancer Day


O tratamento moderno de tumores cerebrais em crianças

Os tumores cerebrais em crianças são raros - em Fortaleza, CE pouco mais de 1 criança em cada 100 mil vai ter um tumor cerebral, algo em torno de 30 casos por ano. Ainda sim, representa um terço da incidência de tumores cerebrais em São Paulo e no mundo desenvolvido, talvez pela existência de casos que não são diagnosticados a tempo. No Hospital Infantil Albert Sabin, único hospital do Ceará a contar com o tratamento multidisciplinar completo para crianças com tumores cerebrais, a sobrevida global das crianças com tumores cerebrais, cinco anos após o diagnóstico, é em torno de 50% (Araújo, 2011). Isso significa que cerca de metade das crianças diagnosticadas com tumor cerebral vai viver mais de 5 anos, o que geralmente corresponde à cura clínica para pacientes com tumores.

A chance de sobrevida varia radicalmente com o tipo de tumor. Enquanto mais de 85-90% dos pacientes com gliomas de baixo grau alcançam sobrevida prolongada, pacientes com gliomas de alto grau ou gliomas difusos da ponte têm um prognóstico ruim - menos de 10% vivem mais de 2 anos nas séries internacionais (Felix, 2013). A chance de sobrevida depende, fundamentalmente, do diagnóstico e tratamento adequados os quais somente podem ser oferecidos em centros especializados e multidisciplinares. É importante que os pacientes recebam a atenção de profissionais com experiência e conhecimento e tenham ao seu alcance os recursos necessários ao tratamento. O maior determinante do resultado é o tipo de tumor a ser tratado. A tabela que acompanha este texto mostra o tratamento mais adequado de acordo com a literatura mais recente, para os principais tipos de tumores cerebrais.



Na tabela, as colunas mostram a classificacação clínica do paciente (Diagnóstico), o tratamento mais indicado pela literatura científica mais recente (Recomendação), o tipo do tumor (Histopatológico), grau da Organização Mundial da Saúde (OMS), características do grupo de pacientes (Estadiamento), referência do trabalho científico mais importante (Ref) e sobrevida esperada (EFS - pacientes sem doença 5 anos após o diagnóstico; OS - pacientes sobreviventes 5 anos após o diagnóstico).
Abreviaturas: RT (radioterapia), RNM (ressonância nuclear magnética), NF1 (neurofibromatose tipo 1),  Chang (classificação de metástases, criada para Meduloblastomas, pode ser aplicada para Ependimomas, M0 é sem metástase), PNET (tumor neuroectodérmico primitivo), TCG (tumor de células germinativas), QT (quimioterapia). As demais referem-se a esquemas de quimioterapia ou exames especializados.

Nota: todas as informações nestas tabelas foram retiradas da literatura científica citada, porém não necessariamente refletem a prática e a opinião de todos os profissionais e todos os centros envolvidos no tratamento de crianças com tumores cerebrais. Cada centro especializado ou profissional individual pode utilizar informações ou referências diferentes e pode informar chances de sobrevida diferentes, dependendo de suas experiências individuais.

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics glioblastoma gliomas Google Books gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access osteoporose Osvaldo Cruz pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python quimioterapia radiation radioterapia rapamycin recidiva regressão espontânea resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina via dourada via verde vitamina E vitaminas William C. Campbell Youyou Tu

Postagens populares