quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Serotonina envolvida na Síndrome de Morte Súbita Infantil


Em um artigo publicado no The Journal of American Medical Association, um novo vínculo entre a síndrome da morte súbita infantil (SMSI) e uma baixa produção de serotonina no tronco cerebral foi descrito.
O estudo é baseado em uma comparação de amostras do tronco cerebral de crianças que sofreram SMSI  com os de crianças que morreram de outras causas conhecidas. Foram medidos os níveis de serotonina e triptofano hidroxilase, a enzima que ajuda a produzir serotonina, em 35 crianças que morreram de SMSI e em dois grupos de controle (5 crianças que morreram de forma aguda de outras causas, e 5 crianças hospitalizadas com encefalopatia hipóxico-isquêmica).
Comparados com os controles, os níveis de serotonina no tronco encefálico baixo foram 26% menores em casos de SMSI, enquanto os níveis de triptofano hidroxilase foram 22% inferiores.
Artigo completo aqui.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Trate as convulsões de seu pequeno paciente... mesmo que não as veja!!

O tratamento de convulsões subclínicas e clínicas em crianças com encefalopatia hipóxico-isquêmica (EHI) pode reduzir o risco de lesão cerebral, segundo um estudo publicado na revista Pediatrics.
Em 138 recém-nascidos, os autores deste trabalho utilizou o eletroencefalograma de amplitude integrada (EEGa) para monitorar as convulsões. Crianças com crises clínicamente evidente foram tratadas com drogas antiepilépticas (DAEs). Quando uma criança tinha um ataque subclínico, era tratada para clínica de convulsões e eventos subclínicos (grupo A, n = 19) ou convulsões apenas (grupo B, n = 14). Houve uma tendência não significativa da duração média da crise no grupo A ser menor (196 contra 503 minutos).
Também foi realizada ressonância magnética (MRI) para pacientes do grupo A e do grupo B durante o período entre 4 e 10 dias de idade. Na análise, os autores encontraram uma relação significativa entre a duração dos padrões de crise e a ocorrência de lesões cerebrais verificadas na ressonância magnética no grupo B.
Artigo completo aqui.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Problemas infantis podem prever esquizofrenia

Os adultos que desenvolvem esquizofrenia apresentam um padrão de dificuldades cognitivas quando crianças, incluindo problemas de raciocínio verbal, memória, atenção e velocidade de processamento.
Baseado em um estudo de longo prazo de mais de 1.000 participantes nascidos entre 1972 e 1973, os autores do estudo encontraram um padrão de problemas durante o desenvolvimento, que apareceram pela primeira vez quando os indivíduos com esquizofrenia no estudo tinham em torno de sete anos. O artigo foi publicado no American Journal of Psychiatry.
As crianças que desenvolveram esquizofrenia quando adultas apresentaram déficit no início de aprendizagem verbal e visual, no raciocínio e conceituação que foi mantido durante o crescimento. Também mostraram um desenvolvimento mais lento em velocidade de processamento, atenção, problemas visuo-espaciais e de memória de trabalho.
Artigo completo aqui.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O Esquadrão das Plaquetas Incendiárias

Plaquetas e artrite tradicionalmente não são relacionadas nos livros médicos e na literatura científica. Um artigo publicado na Science, porém, relata que micropartículas plaquetárias, vesículas liberadas por plaquetas ativadas, estão presentes em grande quantidade no líquido sinovial de articulações inflamadas e participam ativamente no desenvolvimento da artrite inflamatória. Usando modelos animais, os autores mostraram como as plaquetas são ativadas por colágeno (via glicoproteína VI, um receptor na superfície plaquetária) e por células sinoviais semelhantes a fibroblastos, deflagrando a liberação de micropartículas. Estas últimas vão induzir a liberação de vários mediadores inflamatórios, através da IL-1 presente nas micropartículas. Em seguida, células inflamatórias ativadas são atraídas pelos mediadores inflamatórios, iniciando o "fogo" da inflamação. Já se sabia que as plaquetas talvez tivessem algum papel na artrite: elas acumulam-se em articulações inflamadas e número elevado de plaquetas no líquido sinovial e de micropartículas na circulação já haviam sido observados em pacientes com artrite reumatóide, mas não se havia feito uma relação causal. A biologia plaquetária vem sendo revista ultimamente e, de passivas participantes em eventos vasculares elas estão passando a ativas personagens de fenômenos inflamatórios e eventos extravasculares. Um número cada vez maior de evidências apontam para o papel imunomodulatório das micropartículas plaquetárias. Sua relação próxima com células inflamatórias, como neutrófilos, faz com que estes possam "contrabandear" micropartículas aderidas em sua superfície para o interior das articulações, amplificando a resposta inflamatória que leva finalmente à artrite.

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente ambientes virtuais analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor bundler cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará CERN child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI Command Line Tools conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite desenvolvedor diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics GitHub glioblastoma gliomas Google Books gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis High Sierra homebrew horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall Jekyll journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access open science OpenAIRE osteoporose Osvaldo Cruz package installer pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python python 2 python 3 quimioterapia radiation radioterapia rapamycin rbenv recidiva regressão espontânea repository resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Ruby Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina venv via dourada via verde virtualenv virtualenvwrapper vitamina E vitaminas William C. Campbell Xcode Youyou Tu Zenodo

Postagens populares